SETOR DE SERVIÇOS TEM ALTA DE 5% APÓS MESES SEGUIDOS DE QUEDA

Após acumular quatro meses de queda e uma perda de 19,5%, o volume de serviços prestados apresentou alta de 5% no mês de junho. Os dados foram divulgados pela Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), na manhã desta quinta-feira (13) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O tombo no acumulado do ano, porém, é de 12,1%. 

Segundo o IBGE, a melhora no segmento de serviços foi puxada, principalmente, pela flexibilização das regras de isolamento social e reabertura de restaurantes. Entre março e maio, o setor teve uma retração de 18,6%. Desde o início da reabertura, porém, o setor apresentou aumento no fluxo, impactando positivamente os dados de junho. 

 “Com as medidas de isolamento, muitos restaurantes estavam fechados, ainda que alguns estivessem funcionando por delivery. Com a flexibilização, ou seja, com o aumento do fluxo de pessoas nas cidades brasileiras, eles começaram a abrir e a receita do segmento voltou a crescer, impactando o volume de serviços de junho”, explica o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo.

A pesquisa aponta, ainda, que os cinco setores pesquisados acompanharam o resultado positivo do setor, com destaque para transportes e serviços auxiliares ao transportes, com avanço de 6,9%, e serviços de informação e comunicação, com alta de 3.3%. 

“Esta é a segunda taxa positiva para o setor de transportes. Tanto ele quanto os serviços prestados às famílias mostraram perdas em março e abril e taxas positivas em maio e junho. Mas o crescimento dos últimos dois meses foi insuficiente para recuperar a perda dos meses anteriores”, avalia Lobo.

Ontem, o IBGE também mostrou que as vendas do comércio passaram a sentir os reflexos positivos da reabertura. Não à toa, em junho, o setor teve alta de 8% em comparação com maio, retomando o patamar pré-pandemia. Mesmo assim, o varejo do país acumula queda de 3,1% no ano, e encerrou o semestre com o pior patamar desde 2016.